Terça-feira da IV Semana da Quaresma

 

Invitatório

 ________________________________

 

Ofício das Leituras

 

introdução
ouvir:

V. Vinde, ó Deus em meu auxílio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino  

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

Salmodia

 

Ant. 1 Ó Senhor, chegue até vós o meu clamor,

não me oculteis a vossa face em minha dor!

 

Salmo 101(102)

 

Anseios e preces de um exilado

Bendito seja Deus que nos consola em todas as nossas aflições! (2Cor 1,4).

 

I

2 Ouvi, Senhor, e escutai minha oração, *

e chegue até vós o meu clamor!

3 De mim não oculteis a vossa face *

no dia em que estou angustiado!

– Inclinai o vosso ouvido para mim, *

ao invocar-vos atendei-me sem demora!

 

4 Como fumaça se desfazem os meus dias, *

estão queimando como brasas os meus ossos.

5 Meu coração se tornou seco igual à erva, *

até esqueço de tomar meu alimento.

6 À força de gemer e lamentar, *

tornei-me tão-somente pele e osso.

 

7 Eu pareço um pelicano no deserto, *

sou igual a uma coruja entre ruínas.

 –8 Perdi o sono e passo a noite a suspirar *

como a ave solitária no telhado.

9 Meus inimigos me insultam todo o dia, *

enfurecidos lançam pragas contra mim.

 

10 É cinza em vez de pão minha comida, *

minha bebida eu misturo com as lágrimas.

11 Em vossa indignação, em vossa ira *

me exaltastes, mas depois me rejeitastes;

12 os meus dias como sombras vão passando, *

e aos poucos vou murchando como a erva.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Ó Senhor, chegue até vós o meu clamor,

não me oculteis a vossa face em minha dor!

 

Ant. 2 Ouvi, Senhor, a oração dos oprimidos!

 

II

13 Mas vós, Senhor, permaneceis eternamente, *

de geração em geração sereis lembrado!

14 Levantai-vos, tende pena de Sião, *

já é tempo de mostrar misericórdia!

15 Pois vossos servos têm amor aos seus escombros *

e sentem compaixão de sua ruína.

 

16 As nações respeitarão o vosso nome, *

e os reis de toda a terra, a vossa glória;

17 quando o Senhor reconstruir Jerusalém*

e aparecer com gloriosa majestade,

18 ele ouvirá a oração dos oprimidos *

e não desprezará a sua prece.

 

19 Para as futuras gerações se escreva isto, *

e um povo novo a ser criado louve a Deus.

20 Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, *

e o Senhor olhou a terra do alto céu,

21 para os gemidos dos cativos escutar *

e da morte libertar os condenados.

 

22 Para que cantem o seu nome em Sião *

e louve ao Senhor Jerusalém,

23 quando os povos e as nações se reunirem *

e todos os impérios o servirem.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Ouvi, Senhor, a oração dos oprimidos!

 

Ant. 3 A terra, no princípio, vós criastes,

e os céus, por vossas mãos, foram criados.

 

III

24 Ele abateu as minhas forças no caminho *

e encurtou a duração da minha vida.

= Agora eu vos suplico, ó meu Deus; †

25 não me leveis já na metade dos meus dias, *

vós, cujos anos são eternos, ó Senhor!

 

26 A terra no princípio vós criastes, *

por vossas mãos também os céus foram criados;

27 eles perecem, vós porém permaneceis; *

como veste os mudais e todos passam;

– ficam velhos todos eles como roupa, *

28 mas vossos anos não têm fim, sois sempre o mesmo!

 

=29 Assim também a geração dos vossos servos †

terá casa e viverá em segurança, *

e ante vós se firmará sua descendência.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. A terra, no princípio, vós criastes,

e os céus, por vossas mãos, foram criados.

 

V. Eis o tempo de conversão.

R. Eis o dia da salvação!

 

Primeira leitura

Do Livro do Levítico             19,1-18.31-37

 

Preceitos referentes ao próximo

1O Senhor falou a Moisés, dizendo: 2“Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel, e dize-lhes: Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.

3Respeite cada um de vós seu pai e sua mãe. Guardai os meus sábados. Eu sou o Senhor vosso Deus.

4Não vos volteis para ídolos nem façais para vós deuses de metal fundido. Eu sou o Senhor vosso Deus.

5Quando oferecerdes ao Senhor um sacrifício pacífico, oferecei-o de modo a ser aceito. 6A vítima deverá ser comida no mesmo dia em que for imolada e no dia seguinte; mas tudo o que sobrar para o terceiro dia será queimado no fogo. 7Se alguém comer da vítima passados dois dias, será profano e réu de impiedade. 8Quem transgredir será culpado por ter profanado o que se consagrou ao Senhor, e será eliminado do meio do povo.

9Quando fizeres a colheita no teu país, não deverás ceifar até o último limite do teu campo, nem apanhar as espigas que restam. 10Nem tampouco colherão os últimos cachos da tua vinha, nem ajuntarás as uvas caídas, mas deixarás isso para os pobres e os estrangeiros. Eu sou o Senhor vosso Deus.

11Não furteis, não digais mentiras, nem vos enganeis uns aos outros.

12Não jureis falso por meu nome, profanando o nome do Senhor teu Deus. Eu sou o Senhor.

13Não explores o teu próximo nem pratiques extorsão contra ele. Não retenhas contigo a diária do assalariado até o dia seguinte.

14Não amaldiçoes o surdo, nem ponhas tropeço diante do cego, mas temerás o teu Deus. Eu sou o Senhor.

15Não cometas injustiças no exercício da justiça; não favoreças o pobre nem prestigies o poderoso. Julga teu próximo conforme a justiça. 16Não sejas um maldizente entre o teu povo. Não conspires, caluniando-o, contra a vida do teu próximo. Eu sou o Senhor.

17Não tenhas no coração ódio contra teu irmão. Repreende o teu próximo, para não te tornares culpado de pecado por causa dele. 18Não procures vingança, nem guardes rancor aos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.

31Não vos dirijais aos que evocam espíritos nem interrogueis os adivinhos, para que não vos torneis impuros por meio deles. Eu sou o Senhor vosso Deus.

32Levanta-te diante de uma cabeça branca, e honra a pessoa do ancião. Teme o teu Deus. Eu sou o Senhor.

33Se um estrangeiro vier morar convosco em vossa terra, não o maltrateis; 34mas esteja entre vós como um natural do país. Ama-o como a ti mesmo, porque também vós fostes estrangeiros na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus.

35Não cometais injustiças nos julgamentos, nas medidas de comprimento, de peso ou de capacidade. 36Tende balanças justas,pesos justos e medidas para sólidos e líquidos justas. Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tirei do Egito.

37Guardai todos os meus preceitos e todas as minhas leis e cumpri-os. Eu sou o Senhor”.

 

Responsório             Gl 5,14.13b; Jo 13,34

 

R. Esta frase contém toda a lei:

Ama o teu próximo como a ti mesmo.

* Sede servos uns dos outros, pelo amor.

V. Eu vos dou novo preceito:

que uns aos outros vos ameis, como eu vos tenho amado.

* Sede servos.

 

Segunda leitura

Dos Sermões de São Leão Magno, papa

(Sermo 10 de Quadragesima, 3-5: PL 54,299-301)

(Séc.V)

 

O bem da caridade

Diz o Senhor no Evangelho de João: Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros (Jo 13,35). E também se lê numa Carta do mesmo Apóstolo: Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece Deus. Quem não ama, não chegou a conhecer Deus, pois Deus é amor (1Jo 4,7-8).

Examine-se a si mesmo cada um dos fiéis, e procure discernir com sinceridade os mais íntimos sentimentos de seu coração. Se encontrar na sua consciência algo que seja fruto da caridade, não duvide que Deus está com ele; mas se esforce por tornar-se cada vez mais digno de tão grande hóspede, perseverando com maior generosidade na prática das obras de misericórdia.

Se Deus é amor, a caridade não deve ter fim, porque a grandeza de Deus não tem limites.

Para praticar o bem da caridade, amados filhos, todo tempo é próprio. Contudo, estes dias da Quaresma, a isso nos exortam de modo especial. Se desejamos celebrar a Páscoa do Senhor com o espírito e o corpo santificados, esforcemo-nos o mais possível por adquirir essa virtude que contém em si todas as outras e cobre a multidão dos pecados.

Ao aproximar-se a celebração deste mistério que ultrapassa todos os outros, o mistério do sangue de Jesus Cristo que apagou as nossas iniquidades, preparemo-nos em primeiro lugar mediante o sacrifício espiritual da misericórdia; o que a bondade divina nos concedeu, demo-lo também nós àqueles que nos ofenderam.

Seja, neste tempo, mais larga a nossa generosidade para com os pobres e todos os que sofrem, a fim de que os nossos jejuns possam saciar a fome dos indigentes e se multipliquem as vozes que dão graças a Deus. Nenhuma devoção dos fiéis agrada tanto a Deus como a dedicação para com os seus pobres, pois nesta solicitude misericordiosa ele reconhece a imagem de sua própria bondade.

Não temamos que essas despesas diminuam nossos recursos, porque a benevolência é uma grande riqueza e não podem faltar meios para a generosidade onde Cristo alimenta e é alimentado. Em tudo isso, intervém aquela mão divina que ao partir o pão o faz crescer, e ao reparti-lo multiplica-o.

Quem dá esmola, faça-o com alegria e confiança, porque tanto maior será o lucro quanto menos guardar para si, conforme diz o santo Apóstolo Paulo: Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará pão como alimento, ele mesmo multiplicará vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça (2Cor 9,10), em Cristo Jesus, nosso Senhor, que vive e reina com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Responsório Lc 6,38; Cl 3,13b

 

R. Dai aos outros e a vós será dado.

* Boa medida, recalcada, sacudida,

transbordante, de bom grado, vos darão.

V. Como Cristo vos deu o perdão,

perdoai-vos, também, uns aos outros. * Boa medida.

 

Oração  

Ó Deus, que a fiel observância dos exercícios quaresmais prepare o coração dos vossos filhos e filhas para acolher com amor o mistério pascal e anunciar ao mundo a salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.