Segunda-feira da IV Semana da Quaresma

 

Invitatório

 ________________________________

 

Ofício das Leituras

 

introdução
ouvir:

V. Vinde, ó Deus em meu auxílio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino  

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

Salmodia

 

Ant. 1 Como Deus é tão bondoso para os justos,

para aqueles que têm puro o coração!

 

Salmo 72(73)

 

O sofrimento do justo

Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim (Mt 11,6).

 

I

1 Como Deus é tão bondoso para os justos, *

para aqueles que têm puro o coração!

2 Mas por pouco os meus pés não resvalaram, *

e quase escorregaram os meus passos;

 –3 cheguei a ter inveja dos malvados, *

ao ver o bem-estar dos pecadores.

 

4 Para eles não existe sofrimento, *

seus corpos são robustos e sadios;

5 não sofrem a dureza do trabalho *

nem conhecem a aflição dos outros homens.

 

6 Eles fazem do orgulho o seu colar, *

da violência, uma veste que os envolve;

7 transpira a maldade de seu corpo, *

transbordam falsidade suas mentes.

 

8 Zombam do bem e elogiam o que é mau, *

exaltam com orgulho a opressão;

9 investe sua boca contra o céu, *

e sua língua envenena toda a terra.

 

10 Por isso vai meu povo procurá-los *

e beber com avidez nas suas fontes;

11 eles dizem: “Por acaso Deus entende, *

e o Altíssimo conhece alguma coisa?”

12 Olhai bem, pois são assim os pecadores, *

que tranquilos amontoam suas riquezas.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Como Deus é tão bondoso para os justos,

para aqueles que têm puro o coração!

 

Ant. 2 Os maus que hoje riem, amanhã hão de chorar.

 

II

 

13 Será em vão que guardei puro o coração *

e lavei na inocência minhas mãos?

14 Porque sou chicoteado todo o tempo *

e recebo meus castigos cada dia.

15 Se eu pensasse: “Vou fazer igual a eles”, *

trairia a geração dos vossos filhos.

 

16 Pus-me então a refletir sobre este enigma, *

mas pareceu-me uma tarefa bem difícil.

 –17 Até que um dia, penetrando esse mistério, *

compreendi qual é a sorte que os espera,

18 pois colocais os pecadores num declive, *

e vós mesmo os empurrais para a desgraça.

 

19 Num instante eles caíram na ruína, *

acabaram e morreram de terror!

20 Como um sonho ao despertar, ó Senhor Deus, *

ao levantar-vos, desprezais a sua imagem.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Os maus que hoje riem, amanhã hão de chorar.

 

Ant. 3 Haverão de perecer os que vos deixam;

para mim só há um bem: é estar com Deus.

 

III

 

21 Quando então se revoltava o meu espírito, *

e dentro em mim o coração se atormentava,

22 eu, estulto, não podia compreender; *

perante vós me comportei como animal.

 

23 Mas agora eu estarei sempre convosco, *

porque vós me segurastes pela mão;

24 vosso conselho vai guiar-me e conduzir-me, *

para levar-me finalmente à vossa glória!

 

25 Para mim, o que há no céu fora de vós? *

Se estou convosco, nada mais me atrai na terra!

=26 Mesmo que o corpo e o coração se vão gastando, †

Deus é o apoio e o fundamento da minh’alma, *

é minha parte e minha herança para sempre!

 

27 Eis que haverão de perecer os que vos deixam, *

exterminais os que sem vós se prostituem.

28 Mas para mim só há um bem: é estar com Deus *

é colocar o meu refúgio no Senhor

– e anunciar todas as vossas maravilhas *

junto às portas da cidade de Sião.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Haverão de perecer os que vos deixam;

para mim só há um bem: é estar com Deus.

 

V. Convertei-vos e crede no Evangelho.

R. Pois o reino de Deus está chegando.

 

Primeira leitura

Do Livro do Levítico             16,2-28

 

O dia da expiação

Naqueles dias, 2o Senhor ordenou a Moisés, dizendo: “Fala a teu irmão Aarão para não entrar a qualquer hora no santuário, que fica por detrás do véu, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que não mora quando eu aparecer na nuvem sobre o propiciatório. 3Mas Aarão entrará deste modo no santuário: oferecerá um bezerro como sacrifício expiatório e um carneiro em holocausto. 4Vestirá uma túnica sagrada de linho, usará roupa de baixo de linho, cingirá um cinto de linho e na cabeça trará um turbante de linho. São vestes sacras, que vestirá depois de tomar banho.

5Receberá da comunidade dos filhos de Israel dois bodes para o sacrifício pelo pecado e um carneiro para o holocausto. 6Depois de ter oferecido o bezerro pelo próprio pecado e feito a expiação por si e por sua família, 7apresentará diante do Senhor dois bodes à entrada da Tenda da Reunião. 8Depois lançará as sortes sobre os dois bodes, uma para o Senhor e outra para Azazel. 9Aarão oferecerá o bode que coube ao Senhor, fazendo um sacrifício pelo pecado. 10Quanto ao bode que tocou por sorte a Azazel, será apresentado vivo diante do Senhor, para fazer a expiação e mandá-lo para Azazel, ao deserto.

11Aarão oferecerá o bezerro do sacrifício pelo próprio pecado e, fazendo a expiação por si e por sua família, imolará o bezerro. 12Tomará, então, um turíbulo cheio de brasas tiradas do altar que está diante do Senhor, e dois punhados cheios de incenso aromático pulverizado, e levará tudo para trás do véu. 13Na presença do Senhor porá o incenso sobre o fogo, de modo que a nuvem de incenso cubra o propiciatório que está sobre a arca da aliança; assim não morrerá. 14Em seguida, pegará um pouco do sangue do bezerro, e, com o dedo, fará sete aspersões de sangue diante do propiciatório.

15Depois de ter imolado o bode pelo pecado do povo, levará seu sangue para trás do véu, como foi ordenado acerca do sangue do bezerro, para fazer a aspersão diante do propiciatório. 16Assim fará a expiação pelo santuário, por causa das impurezas dos filhos de Israel, e de suas transgressões e todos os seus pecados. Fará o mesmo pela Tenda da Reunião, estabelecida entre eles, no meio das suas impurezas. 17Ninguém esteja na Tenda da Reunião quando o pontífice entrar no santuário para fazer a expiação por si e por sua família, e por toda a comunidade de Israel, enquanto não tiver saído. 18Quando tiver saído para o altar que está diante do Senhor, fará a expiação e, pegando um pouco de sangue do bezerro e do bode, o derramará sobre as pontas em torno do altar. 19Fará com o dedo sete vezes a aspersão de sangue sobre o altar, para santificá-lo e purificá-lo das impurezas dos filhos de Israel.

20Concluída a expiação do santuário, da Tenda da Reunião e do altar, mandará trazer o bode vivo; 21e, impondo ambas as mãos sobre a sua cabeça, Aarão confessará todas as culpas, transgressões e pecados dos filhos de Israel, e os porá sobre a cabeça do bode. Depois, por meio de um homem para isso designado, o enviará ao deserto.

22Assim o bode levará sobre si todas as culpas dos filhos de Israel para uma região desabitada. Uma vez despachado o bode para o deserto, 23Aarão entrará na Tenda da Reunião e se despojará das vestes de linho que vestiu para entrar no santuário, deixando-as ali. 24Lavará o corpo com água em lugar santo e vestirá as suas roupas. Em seguida, sairá e oferecerá o seu holocausto e o holocausto do povo, em expiação por si e pelo povo. 25Quanto às gorduras do sacrifício pelo pecado, as queimará no altar. 26Aquele que foi soltar o bode de Azazel, deverá lavar as vestes e tomar banho, e depois poderá entrar no acampamento.

27Quanto ao bezerro e ao bode imolados pelo pecado, cujo sangue foi introduzido no santuário para fazer a expiação, serão levados para fora do acampamento, e suas peles, carnes e vísceras serão consumidas pelo fogo. 28E aquele que as queimar, deverá lavaras vestes e tomar banho, e depois poderá entrar no acampamento”.

 

Responsório             Cf. Hb 9,11.12.24

 

R. Quando, porém, veio Jesus Cristo

como sumo sacerdote dos bens já realizados,

não pelo sangue de bezerros,

mas por seu próprio sangue,

* Ele entrou no santuário uma vez por todo o sempre,

alcançando para nós a eterna salvação.

V. Não entrou num santuário

por mãos humanas construído,

mas entrou no próprio céu. * Ele entrou.

 

Segunda leitura

Das Homilias sobre o Levítico, de Orígenes, presbítero

(Hom. 9,5.10:PG12,515.523)            (Séc.III)

 

Cristo, sumo-sacerdote, é a nossa propiciação

Uma vez por ano o sumo sacerdote, afastando-se do povo, entra no lugar onde estão o propiciatório, os querubins, a arca da aliança e o altar do incenso; ninguém pode entrar aí, exceto o sumo sacerdote.

Mas consideremos o nosso verdadeiro sumo sacerdote, o Senhor Jesus Cristo. Tendo assumido a natureza humana, ele estava o ano todo com o povo – aquele ano do qual ele mesmo disse: O Senhor enviou-me para anunciar a boa-nova aos pobres; proclamar um ano da graça do Senhor e o dia do perdão (cf. Lc 4,18.19) – e uma só vez durante esse ano, no dia da expiação, ele entrou no santuário, isto é, penetrou nos céus, depois de cumprir sua missão redentora, e permanece diante do Pai, para torná-lo propício ao gênero humano e interceder por todos os que nele creem.

Conhecendo esta propiciação que reconcilia os homens com o Pai, diz o apóstolo João: Meus filhinhos, escrevo isto para que não pequeis. No entanto, se alguém pecar, temos junto do Pai um Defensor: Jesus Cristo, o Justo. Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados (1Jo 2,1-2). Paulo lembra igualmente esta propiciação, ao falar de Cristo: Deus o destinou a ser, por seu próprio sangue, instrumento de expiação mediante a realidade da fé (Rm 3,25). Por isso, o dia da expiação continua para nós até o fim do mundo.

Diz a palavra divina: Na presença do Senhor porá o incenso sobre o fogo, de modo que a nuvem de incenso cubra o propiciatório que está sobre a arca da aliança; assim não morrerá. Em seguida, pegará um pouco do sangue do bezerro, e com o dedo, aspergirá o lado oriental do propiciatório (cf. Lv 16,13-14). Ensinou assim aos antigos como havia de ser celebrado o rito de propiciação, oferecido a Deus em favor dos homens. Tu, porém, que te aproximaste de Cristo, o verdadeiro sumo sacerdote que, como seu sangue, tornou Deus propício para contigo e te reconciliou com o Pai, não fixes tua atenção no sangue das vítimas antigas. Procura antes conhecer o sangue do Verbo e ouve o que ele mesmo te diz: Isto é o meu sangue, que será derramado por vós, para remissão dos pecados (cf. Mt 26,28).

Também a aspersão para o lado do oriente temo seu significado. Do oriente nos vem a propiciação. É de lá que vem aquele homem cujo nome é Oriente e que foi constituído mediador entre Deus e os homens.

Por esse motivo és convidado a olhar sempre para o oriente, de onde nasce para ti o Sol da justiça, de onde a luz se levanta sobre ti, para que nunca andes nas trevas, nem te surpreenda nas trevas o último dia; a fim de que a noite e a escuridão da ignorância não caiam sorrateiramente sobre ti, mas vivas sempre na luz da sabedoria, no pleno dia da fé e no fulgor da caridade e da paz.

 

Responsório             Cf. Hb 6,20; 7,2.3

 

R. O Cordeiro imaculado penetrou no santuário

como nosso precursor,

* Feito sumo sacerdote para toda a eternidade,

numa ordem semelhante à do rei Melquisedec.

V. Rei da paz, rei da justiça, sua vida não tem fim.

* Feito sumo.

 

Oração  

Ó Deus, que renovais o mundo com admiráveis sacramentos, fazei a vossa Igreja caminhar segundo a vossa vontade sem que jamais lhe faltem neste mundo os auxílios de que necessita. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.