Quinta-feira da IV Semana da Quaresma

 

Invitatório

 ________________________________

 

Ofício das Leituras

 

introdução
ouvir:

V. Vinde, ó Deus em meu auxílio.
R. Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino  

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

Salmodia

 

Ant. 1 Foi vossa mão e a luz de vossa face,

que no passado salvaram nossos pais.

 

Salmo 43(44)

 

Calamidades do povo

Em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou (Rm 8,37).

 

I

2 Ó Deus, nossos ouvidos escutaram, *

e contaram para nós, os nossos pais,

 – as obras que operastes em seus dias, *

em seus dias e nos tempos de outrora:

 

=3 Expulsastes as nações com vossa mão, †

e plantastes nossos pais em seu lugar; *

para aumentá-los, abatestes outros povos.

 –4 Não conquistaram essa terra pela espada, *

nem foi seu braço que lhes deu a salvação;

 

– foi, porém, a vossa mão e vosso braço *

e o esplendor de vossa face e o vosso amor.

 –5 Sois vós, o meu Senhor e o meu Rei, *

que destes as vitórias a Jacó;

6 com vossa ajuda é que vencemos o inimigo, *

por vosso nome é que pisamos o agressor.

 

7 Eu não pus a confiança no meu arco, *

a minha espada não me pôde libertar;

8 mas fostes vós que nos livrastes do inimigo, *

e cobristes de vergonha o opressor.

 –9 Em vós, ó Deus, nos gloriamos todo dia, *

celebrando o vosso nome sem cessar.

                                                                                    

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Foi vossa mão e a luz de vossa face,

que no passado salvaram nossos pais.

 

Ant. 2 O Senhor não afasta de vós a sua face,

se a ele voltardes de todo coração.

 

II

 –10 Porém, agora nos deixastes e humilhastes, *

já não saís com nossas tropas para a guerra!

 –11 Vós nos fizestes recuar ante o inimigo, *

os adversários nos pilharam à vontade.

 

12 Como ovelhas nos levastes para o corte, *

e no meio das nações nos dispersastes.

13 Vendestes vosso povo a preço baixo, *

e não lucrastes muita coisa com a venda!

 

14 De nós fizestes o escárnio dos vizinhos, *

zombaria e gozação dos que nos cercam;

15 para os pagãos somos motivo de anedotas, *

zombam de nós a sacudir sua cabeça.

 

16 À minha frente trago sempre esta desonra, *

e a vergonha se espalha no meu rosto,

 –17 ante os gritos de insultos e blasfêmias *

do inimigo sequioso de vingança.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. O Senhor não afasta de vós a sua face,

se a ele voltardes de todo coração.

 

Ant. 3 Levantai-vos, ó Senhor,

não nos deixeis eternamente!

 

III

 –18 E tudo isso, sem vos termos esquecido *

e sem termos violado a Aliança;

19 sem que o nosso coração voltasse atrás, *

nem se afastassem nossos pés de vossa estrada!

 –20 Mas à cova dos chacais nos entregastes *

e com trevas pavorosas nos cobristes!

 

21 Se tivéssemos esquecido o nosso Deus *

e estendido nossas mãos a um Deus estranho,

 –22 Deus não teria, por acaso, percebido, *

ele que vê o interior dos corações?

 –23 Por vossa causa nos massacram cada dia *

e nos levam como ovelha ao matadouro!

 

24 Levantai-vos, ó Senhor, por que dormis? *

Despertai! Não nos deixeis eternamente!

 –25 Por que nos escondeis a vossa face *

e esqueceis nossa opressão, nossa miséria?

 

26 Pois arrasada até o pó está noss’alma *

e ao chão está colado o nosso ventre.

 – Levantai-vos, vinde logo em nosso auxílio, *

libertai-nos pela vossa compaixão!

 

Ant. Levantai-vos, ó Senhor, não nos deixeis eternamente!

 

V. Quem medita a lei de Deus

R. Dará frutos a seu tempo.

 

Primeira leitura

Do Livro dos Números             12,16−13,1-3a.17-33

 

Exploradores israelitas são enviados a Canaã

Naqueles dias, 12,16 o povo partiu de Haserot, e foi acampar no deserto de Farã.

13,1 O Senhor falou a Moisés, dizendo: 2“Envia alguns homens para explorar a terra de Canaã, que eu vou dar aos filhos de Israel. Enviarás um homem de cada tribo, e que todos sejam chefes”.

3Moisés fez o que o Senhor tinha ordenado, enviando ao deserto de Farã chefes entre o povo.

17Moisés enviou-os para explorar o país de Canaã, recomendando-lhes: “Segui pelo deserto de Negueb. Quando chegardes às montanhas, 18observai como é o país, se o povo que nele vive é forte ou fraco, se são poucos ou muitos; 19como é a terra em que esse povo mora, se é boa ou ruim; como são as cidades em que vivem, se muradas ou sem muros; 20seoseusolo é fértil ou pobre, se existem árvores ou não. Sede corajoso se trazei-nos alguns frutos dessa terra”. Era então o tempo em que as primeiras uvas já podiam ser comidas.

21Eles subiram e exploraram o país desde o deserto de Sin até Roob, na entrada de Emat. 22Subindo pelo deserto de Negueb, chegaram a Hebron, onde viviam Aimã, Sesai e Tolmai, descendentes de Enac. Hebron foi construída sete anos antes que Tânis no Egito. 23E chegaram ao vale de Escol. Ali cortaram um ramo de videira com seu cacho, que dois homens transportaram numa vara; e apanharam também romãs e figos. 24O lugar foi chamado vale de Escol (vale do Cacho) por causa do cacho de uva que os filhos de Israel dali levaram.

25Ao fim de quarenta dias, eles voltaram do reconhecimento do país, 26e apresentaram-se a Moisés, a Aarão e a toda a comunidade dos filhos de Israel, em Cades, no deserto de Farã. E, falando a eles e a toda a comunidade, mostraram os frutos da terra, 27e fizeram a sua narração, dizendo: “Entramos no país, ao qual nos enviastes, que de fato é uma terra onde corre leite e mel, como se pode reconhecer por estes frutos. 28Porém, os habitantes são fortíssimos, e as cidades grandes e fortificadas. Vimos lá descendentes de Enac; 29os amalecitas vivem no deserto do Negueb; os hititas, jebuseus e amorreus, nas montanhas; mas os cananeus, na costa marítima e ao longo do Jordão”.

30Entretanto Caleb, para acalmar o povo revoltado, que se levantava contra Moisés, disse: “Subamos e conquistemos a terra, pois somos capazes de fazê-lo”. 31Mas os homens que tinham ido com ele disseram: “Não podemos enfrentar esse povo, porque é mais forte do que nós”. 32E, diante dos filhos de Israel, começaram a difamar a terra que haviam explorado, dizendo: “A terra que fomos explorar é uma terra que devora os seus habitantes: o povo que aí vimos é de estatura extraordinária. 33Lá vimos gigantes, filhos de Enac, da raça dos gigantes; comparados com eles parecíamos gafanhotos”.

 

Responsório             Dt 1,31a.32.26.27a

 

R. Ao deserto o Senhor, vosso Deus, vos levou

como um pai que carrega o seu filho no colo.

* Nem assim confiastes no Senhor, vosso Deus.

V. Não quisestes subir para a terra da herança

e, sem ter confiança na palavra de Deus,

contra Deus murmurastes. * Nem assim.

 

Segunda leitura

Dos Sermões de São Leão Magno, papa

(Sermo 15, De passione Domini,3-4: PL 54,366-367)

(Séc.V)

 

Contemplemos a paixão do Senhor

Quem venera realmente a paixão do Senhor deve contemplar de tal modo, com os olhos do coração, Jesus crucificado, que reconheça na carne do Senhor a sua própria carne.

Trema a criatura perante o suplício do seu Redentor, quebrem-se as pedras dos corações infiéis e saiam para fora, vencendo todos os obstáculos, aqueles que jaziam debaixo de seus túmulos. Apareçam também agora na cidade santa, isto é, na Igreja de Deus, como sinais da ressurreição futura e realize-se nos corações o que um dia se realizará nos corpos.

A nenhum pecador é negada a vitória da cruz e não há homem a quem a oração de Cristo não ajude. Se ela foi útil para muitos dos que o perseguiam, quanto mais não ajudará os que a ele se convertem?

Foi eliminada a ignorância da incredulidade, foi suavizada a aspereza do caminho, e o sangue sagrado de Cristo extinguiu o fogo daquela espada que impedia o acesso ao reino da vida. A escuridão da antiga noite cedeu lugar à verdadeira luz.

O povo cristão é convidado a gozar as riquezas do paraíso, e para todos os batizados está aberto o caminho de volta à pátria perdida, desde que ninguém queira fechar para si próprio aquele caminho que se abriu também à fé do ladrão arrependido.

Evitemos que as preocupações desta vida nos envolvam na ansiedade e no orgulho, de tal modo que não procuremos, com todo o afeto do coração, conformar-nos a nosso Redentor na perfeita imitação de seus exemplos. Tudo o que ele fez ou sofreu foi para a nossa salvação, a fim de que todo o Corpo pudesse participar da virtude da Cabeça.

Aquela sublime união da nossa natureza com a sua divindade, pela qual o Verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo 1,14), não exclui ninguém da sua misericórdia senão aquele que recusa acreditar. Como poderá ficar fora da comunhão com Cristo quem recebe aquele que assumiu a sua própria natureza e é regenerado pelo mesmo Espírito por obra do qual nasceu Jesus? Quem não reconhece nele as fraquezas próprias da condição humana? Quem não vê que alimentar-se, buscar o repouso do sono, sofrer angústia e tristeza, derramar lágrimas de compaixão, eram próprios da condição de servo?

Foi precisamente para curar a nossa natureza das antigas feridas e purificá-la das manchas do pecado, que o Filho Unigênito de Deus se fez também Filho do Homem, de modo que não lhe faltasse nem a humanidade em toda a sua realidade, nem a divindade em sua plenitude.

É nosso, portanto, o que esteve morto no sepulcro, o que ressuscitou ao terceiro dia e o que subiu para a glória do Pai, no mais alto dos céus. Se andarmos pelos caminhos de seus mandamentos e não nos envergonharmos de proclamar tudo o que ele fez pela nossa salvação na humildade do seu corpo, também nós teremos parte na sua glória. Então se cumprirá claramente o que prometeu: Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus (Mt 10,32).

 

Responsório             1Cor 1,18.23

 

R. A linguagem da cruz é loucura

para aqueles que vão se perder;

* Para aqueles, porém, que se salvam,

para nós, é a força de Deus.

V. Nós anunciamos o Cristo, o Cristo, o Crucificado,

que é escândalo para os judeus

e para os gentios é loucura. * Para aqueles.

 

Oração

 

Nós vos pedimos, ó Deus de bondade, que, corrigidos pela penitência e renovados pelas boas obras, possamos perseverar nos vossos mandamentos e chegar purificados às festas pascais. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.