Quarta-feira da III Semana da Quaresma

 

Invitatório

 ________________________________

 

Ofício das Leituras

 

introdução
ouvir:

V. Vinde, ó Deus em meu auxílio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino  

Agora é tempo favorável,

divino dom da Providência,
para curar o mundo enfermo
com um remédio, a penitência.

 

Da salvação refulge o dia,
na luz de Cristo a fulgurar.

O coração, que o mal feriu,

a abstinência vem curar.

 

Em corpo e alma, a abstinência,

Deus, ajudai-nos a guardar.

Por tal passagem, poderemos

à páscoa eterna, enfim, chegar.

 

Todo o Universo vos adore,

Trindade Santa, Sumo Bem.

Novos por graça entoaremos

um canto novo a vós. Amém.

Salmodia

 

Ant. 1 O amor e a verdade vão andando à vossa frente.

 

Salmo 88(89),2-38

 

As misericórdias do Senhor 

com a descendência de Davi

Conforme prometera, da descendência de Davi, Deus fez surgir um Salvador, que é Jesus (At 13,22.23).

 

I

2 Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, *

de geração em geração eu cantarei vossa verdade!

3 Porque dissestes: “O amor é garantido para sempre!” *

E a vossa lealdade é tão firme como os céus.

 

4 “Eu firmei uma Aliança com meu servo, meu eleito, *

e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor:

5 Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, *

de geração em geração garantirei o teu reinado!”

 

6 Anuncia o firmamento vossas grandes maravilhas, *

e o vosso amor fiel, a assembleia dos eleitos,

7 pois, quem pode, lá nas nuvens, ao Senhor se comparar*

e quem pode, entre seus anjos, ser a ele semelhante?

 

8 Ele é o Deus temível no conselho dos seus santos,*

ele é grande, ele é terrível para quantos o rodeiam.

9 Senhor Deus do universo, quem será igual a vós? *

Ó Senhor, sois poderoso, irradiais fidelidade!

 

10 Dominais sobre o orgulho do oceano furioso, *

quando as ondas se levantam, dominando as acalmais.

11 Vós feristes a Raab e o deixastes como morto, *

vosso braço poderoso dispersou os inimigos.

 

12 É a vós que os céus pertencem, e a terra é também vossa!*

Vós fundastes o universo e tudo aquilo que contém.

13 Vós criastes no princípio tanto o norte como o sul; *

o Tabor e o Hermon em vosso nome rejubilam.

 

14 Vosso braço glorioso se revela com poder! *

Poderosa é vossa mão, é sublime a vossa destra!

15 Vosso trono se baseia na justiça e no direito, *

vão andando à vossa frente o amor e a verdade.

 

16 Quão feliz é aquele povo que conhece a alegria; *

seguirá pelo caminho, sempre à luz de vossa face!

17 Exultará de alegria em vosso nome dia a dia, *

e com grande entusiasmo exaltará vossa justiça.

 

18 Pois sois vós, ó Senhor Deus, a sua força e sua glória, *

é por vossa proteção que exaltais nossa cabeça.

19 Do Senhor é o nosso escudo, ele é nossa proteção, *

ele reina sobre nós, é o Santo de Israel!

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. O amor e a verdade vão andando à vossa frente.

 

Ant. 2 O Filho de Deus se fez homem

e nasceu da família de Davi.

 

II

=20 Outrora vós falastes em visões a vossos santos: †

“Coloquei uma coroa na cabeça de um herói *

e do meio deste povo escolhi o meu Eleito.

 

21 Encontrei e escolhi a Davi, meu servidor, *

e o ungi, para ser rei, com meu óleo consagrado.

22 Estará sempre com ele minha mão onipotente, *

e meu braço poderoso há de ser a sua força.

 

23 Não será surpreendido pela força do inimigo, *

nem o filho da maldade poderá prejudicá-lo.

24 Diante dele esmagarei seus inimigos e agressores, *

ferirei e abaterei todos aqueles que o odeiam.

 

25 Minha verdade e meu amor estarão sempre com ele, *

sua força e seu poder por meu nome crescerão.

26 Eu farei que ele estenda sua mão por sobre os mares, *

e a sua mão direita estenderei por sobre os rios.

 

27 Ele, então, me invocará: ‘Ó Senhor, vós sois meu Pai, *

sois meu Deus, sois meu Rochedo onde encontro a salvação!’

28 E por isso farei dele o meu filho primogênito, *

sobre os reis de toda a terra farei dele o Rei altíssimo.

 

29 Guardarei eternamente para ele a minha graça *

e com ele firmarei minha Aliança indissolúvel.

30 Pelos séculos sem fim conservarei sua descendência, *

e o seu trono, tanto tempo quanto os céus, há de durar”.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. O Filho de Deus se fez homem

e nasceu da família de Davi.

 

Ant. 3 Eu jurei uma só vez a Davi, meu servidor:

Eis que a tua descendência durará eternamente.

 

III

31 “Se seus filhos, porventura, abandonarem minha lei *

e deixarem de andar pelos caminhos da Aliança;

32 se, pecando, violarem minhas justas prescrições *

e se não obedecerem aos meus santos mandamentos:

 

33 eu, então, castigarei os seus crimes com a vara, *

com açoites e flagelos punirei as suas culpas.

34 Mas não hei de retirar-lhes minha graça e meu favor *

e nem hei de renegar o juramento que lhes fiz.

 

35 Eu jamais violarei a Aliança que firmei, *

e jamais hei de mudar o que meus lábios proferiram!

36 Eu jurei uma só vez por minha própria santidade, *

e portanto, com certeza,a Davi não mentirei!

 

37 Eis que a sua descendência durará eternamente *

e seu trono ficará à minha frente como o sol;

38 como a lua que perdura sempre firme pelos séculos, *

e no alto firmamento é testemunha verdadeira”.

 

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 

Ant. Eu jurei uma só vez a Davi, meu servidor:

Eis que a tua descendência durará eternamente.

 

V. Convertei-vos e mudai a vossa vida.

R. Renovai-vos de espírito e coração!

 

Primeira leitura

Do Livro do Êxodo             33,7-11.18-23; 34,5-9.29-35

 

O Senhor revela a Moisés a sua glória

Naqueles dias, 3,7Moisés levantou a tenda e armou-a longe, fora do acampamento, e deu-lhe o nome de Tenda da Reunião. Assim, todo aquele que quisesse consultar o Senhor, saía para a Tenda da Reunião, que estava fora do acampamento. 8Quando Moisés se dirigia para lá, o povo se levantava e ficava de pé à entrada da própria tenda, seguindo Moisés com os olhos até ele entrar. 9Logo que Moisés entrava na Tenda, a coluna de nuvem baixava e ficava parada à entrada, enquanto o Senhor falava com Moisés. 10Ao ver a coluna de nuvem parada à entrada da Tenda, todo o povo se levantava e cada um se prostrava à entrada da própria tenda. 11O Senhor falava com Moisés face a face, como um homem fala com seu amigo. Depois, Moisés voltava para o acampamento, mas o seu jovem ajudante, Josué, filho de Nun, não se afastava do interior da Tenda.

18Moisés disse ao Senhor: “Mostra-me a tua glória”. 19E o Senhor respondeu: “Eu te mostrarei todo o bem, e proclamarei diante de ti o nome ‘Senhor’; usarei de misericórdia com quem eu quiser, e serei clemente com aquele de quem me agradar”. 20E acrescentou: “Não poderás ver a minha face, porque o homem não pode ver-me e viver”. 21E o Senhor disse: “Eis um lugar perto de mim; tu ficarás sobre o rochedo. 22Quando a minha glória passar, eu te porei numa fenda da rocha, e te cobrirei com a minha direita, enquanto eu estiver passando. 23Depois, tirarei a minha mão, e me verás pelas costas; mas a minha face não a poderás ver”.

34,5 O Senhor desceu na nuvem e permaneceu com Moisés, e este invocou o nome do Senhor. 6º Senhor passou diante de Moisés, proclamando: “O Senhor, o Senhor, Deus misericordioso e clemente, paciente, rico em bondade e fiel, 7que conserva misericórdia por mil gerações, e perdoa culpas, rebeldias e pecados, mas não deixa nada impune, pois castiga a culpa dos pais nos filhos e netos, até à terceira e quarta geração”! 8Imediatamente, Moisés curvou-se até o chão 9e, prostrado por terra, disse: “Senhor, se é verdade que gozo de teu favor, peço-te, caminha conosco; embora este seja um povo de cabeça dura, perdoa nossas culpas e nossos pecados e acolhe-nos como propriedade tua”.

29Quando Moisés desceu da montanha do Sinai, trazendo nas mãos as duas tábuas da aliança, não sabia que a pele do seu rosto resplandecia por ter falado como Senhor. 30Aarão e os filhos de Israel, vendo o rosto de Moisés resplandecente, tiveram medo de se aproximar. 31Então Moisés os chamou, e tanto Aarão como os chefes da comunidade foram para junto dele. E, depois que lhes falou, 32todos os filhos de Israel também se aproximaram dele, e Moisés transmitiu-lhes todas as ordens que tinha recebido do Senhor no monte Sinai.

33Quando Moisés acabou de lhes falar, cobriu o rosto com um véu. 34Todas as vezes que Moisés se apresentava ao Senhor, para falar com ele, retirava o véu, até a hora de sair; depois saía e dizia aos filhos de Israel tudo o que lhe tinha sido ordenado. 35E eles viam a pele do rosto de Moisés resplandecer; mas ele voltava a cobrir o rosto com o véu, até o momento em que entrava para falar com o Senhor.

 

Responsório             Cf. 2Cor 3,13.18.15

R. Moisés cobria a face com um véu

para que os filhos de Israel não percebessem

o fim daquele brilho transitório.

* Mas nós todos, refletindo como espelho

a glória do Senhor sem nenhum véu,

em sua imagem nós seremos transformados

numa glória sempre mais resplandecente

pela força do Senhor que é Espírito.

V. E eles continuam até hoje

com um véu a encobrir seus corações. * Mas nós todos.

 

 

Segunda leitura

Do Livro A Autólico, de São Teófilo de Antioquia, bispo

(Lib. 1,2.7:PG6,1026-1027.1035)            (Séc.II)

 

Bem-aventurados os puros de coração,

porque verão a Deus

Se me disserem: “Mostra-me o teu Deus”, dir-te-ei: “Mostra-me o homem que és e eu te mostrarei o meu Deus”. Mostra, portanto, como veem os olhos de tua mente e como ouvem os ouvidos de teu coração.

Os que veem com os olhos do corpo, percebem o que se passa nesta vida terrena, e observam as diferenças entre a luz e as trevas, o branco e o preto, o feio e o belo, o disforme e o formoso, o que tem proporções e o que é sem medida, o que tem partes a mais e o que é incompleto; o mesmo se pode dizer no que se refere ao sentido do ouvido: sons agudos, graves ou harmoniosos. Assim também acontece com os ouvidos do coração e com os olhos da alma, no que diz respeito à visão de Deus.

Na verdade, Deus é visível para aqueles que são capazes de vê-lo, porque mantêm abertos os olhos da alma. Todos têm olhos, mas alguns os têm obscurecidos e não veem a luz do sol. E se os cegos não veem, não é porque a luz do sol deixou de brilhar; a si mesmos e a seus olhos é que devem atribuir a falta de visão. É o que ocorre contigo: tens os olhos da alma velados pelos teus pecados e tuas más ações.

O homem deve ter a alma pura, qual um espelho reluzente. Quando o espelho está embaçado, o homem não pode ver nele o seu rosto; assim também, quando há pecado no homem, não lhe é possível ver a Deus.

Mas, se quiseres, podes ficar curado. Confia-te ao médico e ele abrirá os olhos de tua alma e de teu coração. Quem é este médico? É Deus, que pelo seu Verbo e Sabedoria dá vida e saúde a todas as coisas. Foi por seu Verbo e Sabedoria que Deus criou o universo: A Palavra do Senhor criou os céus, e o sopro de seus lábios, as estrelas (Sl 32,6). Sua Sabedoria é infinita. Com a sua Sabedoria, Deus fundou a terra; com a sua inteligência consolidou os céus; com sua ciência foram cavados os abismos e as nuvens derramaram o orvalho.

Se compreenderes tudo isto, ó homem, se a tua vida for santa, pura e justa, poderás ver a Deus. Se deres preferência em teu coração à fé e ao temor de Deus, então compreenderás. Quando te libertares da condição mortal e te revestires da imortalidade, então serás digno de ver a Deus. Sim, Deus ressuscitará o teu corpo, tornando-o imortal como a tua alma; e então, feito imortal, tu verás o que é Imortal, se agora acreditares nele.

 

Responsório             Cf. 2Cor 6,2.4.5.7

R. Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação:

Recomendemo-nos em tudo quais ministros do Senhor:

na muita paciência, na opressão e privação.

* Pelas armas da justiça, no poder do Senhor Deus.

V. Recomendemo-nos em tudo quais ministros do Senhor,

na muita paciência, na opressão e privação.

* Pelas armas.

Oração

 

Ó Deus de bondade, concedei que, formados pela observância da Quaresma e nutridos por vossa palavra, saibamos mortificar-nos para vos servir com fervor, sempre unânimes na oração. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Conclusão da Hora

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.